quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

On Air

A nossa radio esta no ar desde segunda feira! Os estudios e todo o equipamento ficaram na antiga sede, na parte sobrevivente. Mas, mesmo sem eles, o carolas ca do sitio conseguiu transformar um escritorio (roubado ao dono do sofa) numa coisa parecida com um estudio. Depois andou a trabalhar nas antenas (seja la o que isso for) et voila! MINUSTAH FM!
Entretanto, chegaram tambem alguns tecnicos da Radio France International para trabalharem as antenas (?) , de forma a sermos ouvidos mais do que em Porto Principe e arredores.
Tudo perfeito, menos um "pequeno" pormenor: nao havia jornalistas (uns estao feridos, outro desparecido, outros viajaram para fora do pais). Num acesso de loucura nao burocratica e nada propria da ONU, foi-nos dada autorizacao para contratarmos 25 jornalistas de urgencia. Nessa altura do campeonato (dia 6 D.T. ou D.S.), a equipa da radio estava reduzida a 3 pessoaas (eu e mais dois produtores tambem estrangeiros) e o patrao estava fora. Tal o descontrolo (e a pressao da ONU em estabelecer uma radio de natureza humanitaria), que os novos jornalistas foram contratados de forma original. Um desses colegas deslocou-se numa tarde a todos as sedes das radios da capital, completamente destruidas, onde encontrou alguns jornalistas a porta, talvez a espera que um novo emprego caisse do ceu. E nao e que caiu?
No dia seguinte, deveriam aparecer aqui na Log cerca de 11 jornalitas. Conclusao: chegaram 21! Da-me a ideia que alguns sao irmaos e primos, porem, sem nenhum parentesco com o jornalismo. Ao longo do dia de ontem (terca, 1 semana D.T.), foram chegando mais e mais jornalistas a pedirem emprego. Vinham falar comigo, a implorar, a contar o pesadelo que estao a viver, a apelar a minha bondade. Eu, maos atadas, coracao espremido. Os contratos ja estavam formulados e a burocracia e inflexibilidade sao rainhas nesta Casa, o recrutamento foi de facto a excepcao a regra.

La fora ainda e pior. Foi criada uma barreira de seguranca a uns 200 metros da Log (Base) para empedir a multidao de haitianos de invadirem a base. Vem a procura de emprego, qualquer que seja. Alguns ainda tem marcas do terramoto, fisicas, claro, pois as psico todos tem.

Os vinte comecaram ontem e no inicio foi o susto. Exemplo de um falso directo: "em Champs de Mars, esta muita gente, mulheres sem bracos e sem pes, criancas sem bracos, muitos feridos de outro tipo, nao tem comer, nao tem agua. Voces deviam ver o que eu estou a ver. Mas eu sou os vossos olhos, estou aqui para informar e reinformar e voltar a informar. E uma tragedia muito grande"
(nota: este exemplo nao e uma piada. ipsis verbis)

Enfim, parece-me que vou ter muito trabalho pela frente. Falo na primeira pessoa porque os outros dois produtores estao a tomar conta da animacao e da equipa de news, composta por alguns dos nossos anteriores jornalistas que resolveram voltar. E um regresso ao trabalho com um bonus extra: podem assim ficar a dormir na Log (carro, caminha militar ou erva), em vez de dormirem nas grandes pracas da cidade, acotovelados por centenas de outros vizinhos.
A rapaziada contratada a pressao, parece ser boa malta. Chamam-me de Madame Mariana e Vous ...quelque chose... Ah pois e!!! Bem, tambem e verdade que um deles ofereceu-me uma cadeira, com a justificacao: 'fica com ela, eu nao preciso, sou jovem e fresco'
%&&*****!!!!!
Cristina e uma das mais novinhas do grupo. Esteve dois dias debaixo dos escombros da universidade onde estudava. Ao seu lado, os corpos das melhores amigas. No regresso a casa, a noticia que o irmao mais novo esta desaparecido e que a casa esta feita em po. Apesar de nao ter nenhum documento que a identifique, conseguimos convencer a Missao a contrata-la. Deve ser um caso raro na historia da organizacao, mais uma excepcao a burocracia.
Ela tambem aproveita o pacote completo: para alem de trabalhar, vem dormir aqui, esta cansada de estar na rua, e mais importante, pode comer, coisa rara estes dias ate nas melhores familias.
Hoje, enquanto me observava, disse: "tens que descansar e dormir, estas com um ar cansado... coragem!" Sem palavras. Como nao admirar o Haiti?

A noite passada foi pior que fecho de jornal, uma agitacao.
Primeiro a incognita de nao saber que carro vai calhar na rifa (espero que seja o bus, por favor o bus). Depois abrir uma carrinha de 9 lugares e o alarme comecar a tocar (fuga imediata). Finalmente alguem viu o ar de refugiadas das Marianas (eu e a amiga brasileira, companheira das noites sem dormir) e ofereceu-nos um carro. As 5 da manha, fomos acordadas porque alguem tinha que viajar para a Republica Dominicana com a viatura. Proximo destino: o primeiro autocarro que vimos pela frente, ocupado por uns corpos que ressonavam. As seis, nova agitacao. Um desses corpos deu um salto do banco de tras (esperto, ficou no melhor 'spot') e berrava algo. Mal me levantei. So o ouvia a dizer que o bus mexia, mexia. De facto, parecia que sim, mas o sono era tanto que preferi pensar que nao. So sai para a rua, porque fui empurrada pelo tal ressonas. Resolvi nao perder tempo a procura de opcoes para dormir, deitei-me no primeiro chao macio que encontrei.
Duas horas depois, acordada pelas formigas e pelo calor, fiquei a saber que afinal tinha havida mais um terramoto, desta vez 6.1. Fraquinho, muito fraquinho.

13 comentários:

  1. Lindo, Mariana. Keep it going! Estamos sempre contigo! Bj.

    ResponderExcluir
  2. Eu imagino, apenas imagino, as condições em que estás a trabalhar...deve ser surreal!

    ResponderExcluir
  3. Continua a escrever Mariana. Abraços

    ResponderExcluir
  4. És uma força da Natureza. Beijos

    ResponderExcluir
  5. Mariana
    A primeira coisa que faço de manhã, é vir ler-te. Cada vez sinto mais orgulho e admiração por ti.
    Olha, vou mandar-te uma prenda. Uns quantos acentos, algumas cedilhas. Cá vão: ^^^^^^~~~~~~~~~~~~~~´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´```````````````````````````!!!!!!!!!!!!!!???????????????.
    Estou a brincar, para não deixar que a comoção me vença.
    Beijos e um abraço grande de uma amiga que não conheces, mas que te considera uma heroína.
    Maria Águeda

    ResponderExcluir
  6. Beijinhos,muitos, querida Madame Mariana ;)



    ps: um beijinho, para a rapaziada da rádio e para a Cristina :)

    até já...

    ResponderExcluir
  7. Informo que neste momento estão a decorrer negociações com o santo responsável pela duração do período nocturno. Em principio iremos conseguir aumentar o período nocturno (somente na Log) para que possas descansar decentemente. No fim destas negociações passaremos a tratar de uma cama Luis XV para a Madame ;)
    Beijitos e vê se cuidas de ti ;)
    João

    ResponderExcluir
  8. Olá Mariana,

    Escrevo-te, para te pedir que me retires da tua lista de amigos do facebook (Dina Neiva, pois a minha identidade foi usurpada e não consigo entrar dentro da conta. Peço isto apenas para evitar que possam circular mensagens que não sejam escritas por mim. Logo que crie uma nova conta tento adicionar-me de novo com uma mensagem indicativa de que sou eu. Isto também já aconteceu a um colega meu e ele não voltou a conseguir recupar a conta, mesmo depois de ter feito vários esforços junto da Facebook. Coisas sa net sob os efeitos dos Hackers.

    Como estás? ESpero que bem dentro do que aí é possível. Desejo-te mais uma vez muita sorte e coragem.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Olá Mariana, sou jornalista e precisava de entrar em contacto consigo. Pode enviar-me o seu mail para neuza.sgomes@gmail.com para falarmos? Fico a aguardar e desejo-lhe muita força e coragem ;-)

    ResponderExcluir
  10. Marianita, continua a escrever... Queremos ler-te, mais e mais. Um grande beijinho, Lu

    ResponderExcluir
  11. Olá, Mariana!

    Sou editora de uma agência de notícias composta inteiramente por voluntários, cujo foco é não-violência, a Pressenza IPA e gostaria de saber se podemos publicar seus textos. Estamos muito interessados na solidariedade que surge a partir da tragédia, na questão humana, fora do usual apelativo.

    Nosso site é http://world.pressenza.org
    Meu email é sabine.mendes@gmail.com

    ResponderExcluir
  12. E agora
    habituei-me a vir ler-te e a pensar em ti como uma heroína da simplicidade - será preciso corações bem grandes como o teu para que as feridas sejam tratadas no possível. A tua escrita é serena, não ambicionas a fama; és ADMIRÁVEL! Abraços

    ResponderExcluir
  13. Já é um vicio, todos os dias tenho de passar por aqui para ver o que há de novo, mas fico contente por saber, que as instalações estão melhorando.
    Um grande abraço, e como sempre desejo FORÇA.
    Belinha Simões

    ResponderExcluir